sábado, 27 de agosto de 2016

vejo o rio grande do sul perdido em medo

O que adianta se preocupar se você está certo?

O que adianta se preocupar se você está errado?

Da mesmo forma, você vai morrer!

Só que pra mim é diferente. Eu venço pelo meu punho!

Não importa mais o certo.

Não importa mais o errado.

Importa o que eu falo.

Vamos então!

Iron fist.

Vamos!

Minhas batalhas eu ganhei.

uma tartaruga chamada gilberto

Fui a um jantar hoje à noite.

Como sempre faço, enquanto conversava, fiquei olhando as pessoas nas mesas ao redor.

Tudo normal até eu reparar que numa mesa próxima tinha uma moça que comia de uma maneira muito estranha.

Não vou me prolongar muito, mas ela fazia uma careta tão peculiar ao comer, que parecia uma tartaruga.

Pronto, me perdi do resto do jantar e só fiquei olhando a moça com cara de tartaruga.

Gostei tanto dela que dei o nome de Gilberto. A partir daquele momento a moça que mastigava feio se tornou a Tartatuga Gilberto pra mim.

E assim o jantar ficou bem divertido pra minha pessoa.

Eu, de carona, olhando a vida

Tô de boa no carro, escutando música e olhando para fora, quando reparo que  no carro ao lado tem um daqueles poodle gigante no banco de trás.

Só que eu noto algo estranho e penso: "mas que poodle com pelo lisinho".

Olho mais um pouco e vejo que o cachorro está de óculos.

"Senhor do céu, o cachorro deve ser especial", penso em minha vã ignorância quanto ao mundo canino.

Só que neste momento minha curiosidade já era tamanha que eu não parava mais de olhar para o carro ao lado, e foi aí que eu tive uma revelação... NÃO ERA UM CACHORRO, ERA UMA SENHORA COM OS CABELOS BRANCOS COMPRIDOS!

Pois é, eu me enganei, não era um poodle, era um clone do Hermeto Pascoal sentado no carro.

Foi um erro da minha parte, mas por um momento fiquei feliz em ver um cachorro de óculos. Cheguei a imaginar ele lendo Joyce, Poe, Rilke... seria ótimo jogar xadrez com este cão.

o quanto um dedão pode incomodar uma vida

E daí eu tô sentado em um um café em Santa Maria...

(pausa...
duas coisas: quando digo que "estou sentado em um café", sempre faço a imagem literal da situação; segundo ponto, vocês já notaram que começo muitos posts com o termo "e daí eu..."?)

Voltando...

...tô sentado em um café em Santa Maria, quando uma mulher de seus 50 e poucos anos, muito bem vestida, elegante e até tendo um ar levemente charmoso, resolve tirar os sapatos e colocar os pés sobre a cadeira.

Assim, se fosse qualquer outro lugar ( um clube, uma piscina, um jardim florido, uma praia, um bar de nudes, casa de swing, etc) eu acharia de boa e nem ia dar bola, só que é num café no centro da cidade. Um lugar fechado, com mesas próximas uma das outras, onde todos estão comendo.

Não sou de frescura, mas eu tava ali comendo minha torta de limão, pensando nos meus trabalhos, quando vejo aquele dedão enorme com a unha pintada de vermelho. E na boa, se num pé bonito, uma unha vermelha já não é das melhores visões, imagina em um pé feio que dava horror.

Mas é aquela coisa bizarra da mente humana, como ver cena de fuzilamento, tu sabe que vai se chocar mas fica olhando da mesma forma, ou seja... eu tentava me concentrar, tentava olhar só pra torta, só que aquele pé feio não saía do meu campo de visão.

E assim foi durante todo tempo que a moça, que eu tinha achado elegante no começo, ficou ali descalça. Eu só voltei a normalidade da minha lógica sã quando ela calçou os sapatos e partiu.

Na hora eu pensei: "vai diabo, sai da minha frente com este pezão feio".

Sendo assim, concluo perguntado... precisava disso? Qual o sentido em uma pessoa colocar os pés na cara dos outros? E mais... vermelho fogo encarnado da paixão é uma cor legal para os pés?

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Coisas nojentas

Tô sentado, calmo, olhando pro nada e comendo um sanduíche.

Uma moça levanta da sua mesa com a mão na boca e solta tudo o que ela tinha dentro de si para o mundo exterior. Foi um show!

Eu paro, olho se alguma gotícola respingou em mim e fico mirando a menina (que continua golfando até a bilis dela pra fora).

Como mais um pedaço do meu sanduíche e fico olhando a cena que se desenrola ao meu lado. Neste momento algumas pessoas já estão ajudando a menina. Fico calmo, afinal fazer bolor ao redor dela só vai piorar a situação. A mocinha já tá tirando nacos do intestino pra fora, deve estar com uma vergonha desgraçada por estar ali passando por isso, então, nestas horas o melhor é agir naturalmente e deixar tudo pra lá.

Só tem uma coisa que eu não tinha pensado: o cheiro! Nossa... cheiro de vômito é terrível, parece que tão comendo um saco de fandangos bem no meu nariz.

Mas como sou um lorde inglés, fiquei lá, impávido colosso, esperando que tudo fosse resolvido.

E não deu outra,  uns dez minutos depois e a menina se sentia bem e pronta pra voltar a comer uma pizza gigante.

O que me deixou deverás apavorado.

corri... e daí?

Quem tem a minha idade conhece bem o filme "Curtindo A Vida Adoidado" e todas as suas cenas icônicas.

Pois bem, a minha manhã dessa quinta-feira, 25 de agosto de 2016 teve seu momento "Ferris Bueller's Day Off".

Tudo começa com o fato de que eu tinha que imprimir algumas autorizações de imagem antes de uma gravação. Bem, vou imprimir e não tem tinta na impressora.

"OK", penso eu, vou colocar num pen drive e imprimir na rua.

E daí a novela começa...

Não encontro nenhum local próximo que faça impressão, nem um maldito xerox que possa fazer uma cópia vagabunda de uma autorização.

Acabo andando uma dez quadras, indo parar no calçadão, para conseguir imprimir a droga do arquivo.

Nesse momento já é a hora que eu deveria estar saindo da produtora para a gravação, resultado, saio numa disparada pela rua, e é neste ponto que o filme em questão faz sentido pra você meu caro leitor.

Eu saio numa disparada alucinada e entro na galeria Chami feito um foguete. Quem é de Santa Maria sabe que no meio da dita galeria tem uma escadaria de uns cinco degraus.

Bem... lembra da cena da corrida do Ferris Bueller pra chegar em casa antes dos pais dele? Pois é, era a minha situação, eu pulei aqueles degraus num voo só e te digo, tenho certeza que a cena toda foi em câmera lenta, e se não foi é uma pena, pois foi uma cena e tanto.

Fui mais rápido que eu podia, cruzando por entre as pessoas - que naquele momento eram umas lesmas - saltando por cima de carros ( isso não é verdade, mas teria sido lindo se fosse), me benzendo em frente ao Bradesco (passei da Catedral muito rápido e só lembrei de me benzer uma quadra depois) e atravesando a rua sem me importar com os riscos de ser atropelado (na minha concepção, melhor atropelado do que  perder a hora).

A coisa foi meio fastlane, mas consegui chegar e partir com a equipe bem na hora. E ainda chegamos mais cedo do que precisava.

Resumo da manhã:
Fizemos uma ótima gravação, tivemos tempo ainda pra tomar um café e depois ainda sentar pra conversar.

Sendo assim meus queridos seguidores, não confiem jamais que vão encontrar um local decente pra imprimir aquele arquivo que vocês precisam na hora.

Se eu aprendi a lição?

Claro que não, da próxima vez vou fazer a mesma coisa, afinal, aquela corrida e aquele pulo na galeria Chami devem ter sido lindos. Pelo menos, eu achei e pararia para pra ver saltar.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

minhas listas fundamentais para a sua vida

Algumas coisas que me fazem pensar na vida.

1. Prefiro Nescau que Toddy, mas Toddynho é melhor que Nescau Prontinho.

2. Depois de ler teorias famosas de economia vi que o problema não é o conceito da coisa toda, mas sim as pessoas que empregam as ditas teorias.

3. Qual é o tesão do porto-alegrense pelo sol no Guaíba? Gente, ele vai... fica noite... mas amanhã o sol volta!

4. Se no pacote diz biscoito de chocolate, por que falam bolacha?

5. Definitivamente umbigo de bebê é uma das coisas mais nojentas de se ver. Parece uma pequena sanguessuga na barriga do lindo bebezinho.

45 anos do Nixon Vermelho

Ontem fiz 45 anos.

Continuo acelerando.

Mais rápido James Dean, mais rápido.

Quebrando a parede com sete socos certeiros.

Apenas sete são o suficiente.

A idade me fez mais experiente.

Sento no canto e observo.

Ligado por cabos direto no córtex.

Quebrando a barreira do som.

Ainda posso passar mais alguns limites.

Quebrar o tempo e o espaço.

Buraco de minhoca.

Dois extremos do universo ligados pela mesma linha.

Uma curva.

Uma reta.

Imagine uma folha de papel dobrada.

Falta pouco para os 50 e me sinto melhor do que ontem.

Meus olhos estão fixos.

Sei onde devo olhar.

Tranco a respiração.

Acelero meu passo.

Um salto.

Um ataque certeiro.

Sorrio.

Hoje tenho 45 e meus limites se expandiram.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

cinco coisas que aprendi sendo o nixon vermelho

Quando me tornei o Nixon Vermelho - sim, me tornei, pois é algo meio místico, como empunhar o Mjolnir - aprendi algumas coisas:

1. Em alguns momentos na vida o líquido seminal toma um ar de seriedade;

2. Um presunto com tom esverdeado não é um bom alimento;

3. Não se pode parar de mexer o brigadeiro na panela que vira uma porcaria;

4. Terra, tijolo, salmão e nude são cores;

5. Um Macallan é uma ótima companhia em uma festa (não preciso nem falar com ninguém, posso ficar ali na minha, escutando um bom som e sorvendo em pequenos goles esta maravilha âmbar).

agora só falarei coisas mais calmas

Depois de alguns pedidos que eu mesmo me fiz em frente ao espelho (uso muito esta frase, já notaram?), tive uma revelação: não falarei mais sobre temas polêmicos como religião, política, economia e biscoito recheado.

A partir de hoje falarei basicamente sobre as coisas peculiares que diariamente ocorrem na minha pacata e organizada vida.

Como hoje à noite:

estava eu sentado comendo um pão de queijo, com os fones de ouvido sem escutar nada. Sim, eu fico de fone quando estou sozinho em lugares públicos, mesmo que não esteja escutando nada. Descobri que este ato torna a pessoa invisível perante as outras, pois elas acreditam que se tu não está escutando nada, não está verdadeiramente ali.

Resultado disto?

Escuto muita coisa que só padre deve escutar na hora de dar perdão pra alguém.

Voltando ao presente...

estava eu sentado, comendo você sabe, com os fones que tu já entendeu o motivo, quando escuto na conversa ao lado uma moça falar que estava cansada de ouvir a amiga falar do namorado e que não suportava mais a "a alegria daquela sem graça".

Olhei com canto do olho - mentira, levantei a cabeça do livro que eu estava lendo e olhei direto - pra moça que falava. Sabe não era uma moça feia. Tá, não era bonita, mas não era daquelas que só valem pra bater um papo acompanhado de bolinhos de chuva. Só que mesmo assim, ela tendo alguns atributos físicos,  depois de escutar o que ela falava da amiga, pensei comigo: que pessoa ridícula.

E digo mais, achei ela tão ridícula que resolvi nem escutar o que ela falava. Liguei o som e fui ouvir algo de qualidade e rezar pela salvação da humanidade.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

gente, eu não tô levantando bandeira nem da direita e nem da esquerda viu?

Este blog foi criado pra falar sobre nada e rir de tudo. Ou seja, estou aqui apenas para brincar e ironizar.

Então,  pra não causar problemas sociais e nem revoluções, amanhã falarei sobre o quanto Ho Chi Minh foi um sapeca derrotando os americanos na guerra do Vietnã.

como deixar os amigos da esquerda de cara comigo, sem eu ser de direita

Este é o tipo de post que eu sei que alguém vai me mandar textão por e-mail xingando até minhas vidas passadas e futuras. Mas... como já passei pro outro plano, mudei da forma física para a espectral, apitei na curva, etc (entendeu que morri nesta história né?)
E se vocês pararem um pouco, vão entender que um pouco de humor faz bem na vida.
Por que esta introdução exageradamente cautelosa?
Simples, eu resolvi falar sobre um dos presidentes militares de 1964 a 1985. Sim, os presidentes daquele quinteto sapeca que nos divertiu por 20 anos.
E o meu escolhido foi o Marechal (pessoal de história ou que tenha paciência de olhar no Google, confere se ele era Marechal mesmo, pois tenho preguiça) Costa e Silva!
E além de falar, eu dou o motivo da minha preferência por este senhor com cara de tio da gente que nos dá pacote de bala chita quando somos crianças.
O Silva (meu brow, meu chegado... na intimidade chamo ele assim, quando jogamos xadrez no aquém do além - escolha o lugar de acordo com seu gosto: céu ou inferno) foi o cabeça - e que cabeça, repara no tamanho da beleza - que instituiu o "Ato Institucional número 5", o nosso famoso AI -5.
E daí meu povo, acabou a mamata da gurizada.
Estudante gritando na rua contra a ditadura militar e chupando Chica Bom com a mesada do papai? Queria bancar o herói do povo com camiseta do Chê, mas ficava escondido em casa matando aula da faculdade de comunicação na PUC.
Ah... para com essa bobagem!
Pois então, o AI-5 chegou e separou os homens dos meninos.
Eu poderia falar mais algumas coisas, mas é melhor não, pois daqui a pouco alguém pode se ofender com meu senso de humor um tanto bizarro e levar a sério tudo que eu escrevo.

todo lugar pode ser o melhor lugar

Este post é pra ser lido ao som de "It Was Supposed To Be So Easy" do The Streets.

A primeira é pra carregar
A segunda é pra mirar
A terceira é pra atirar

E o azul vira vermelho
E o céu vira inferno
E os cães chamam o nome do perdedor

Você quer ser um deles?

Não queira
O mundo está repleto de idiotas
Que ficam olhando reprises na TV

Olhe para frente
Se o seu país é uma droga
Você não precisa ser

Eu prefiro mirar
E você... quer ser apenas um alvo?

duas rapidinhas do domingo

Tô tomando café no centro de Santa Maria, bem acomodado, escutando um bom som, quando entra um grupo de evangélicos cantando muito alto uma canção.

Algumas considerações sobre isto:

quem passou na rua naquele momento achou que eu estava junto com o grupo de fiéis. Nada contra, mas acho que eu não combinava com o estilo "terno marrom, cabelo repartido no meio e gravata com desenho estranho";

o pessoal devia achar que Deus é surdo pra ter que louvar cantando tão alto assim.

...

Trabalhando à tarde, escuto ao longe a música de uma apresentação que tinha como letra o seguinte poema:

"La bunda, la bunda, ela mexe a bunda".

Pois é...  penso o que numa hora destas?

domingo, 21 de agosto de 2016

não tenho nada para dizer sobre a olimpíada e por isto você nem precisa ler este texto

Eu poderia fazer um textão sobre a Olimpíada no Brasil, mas não é o caso, acredito que o mais importante de tudo que ficou é que não acompanhei quase nada dos jogos olímpicos. Não por descaso, mas sim por estar fazendo alguma coisa que me ocupava a atenção no momento.

Então, acabei acompanhando tudo pelo Twitter e me diverti vendo que não preciso mais ler e nem ver mais nada e muito menos acompanhar as notícias, basta eu ler os ~tuítes~ maravilhosos das pessoas que sigo e me seguem que já estou bem informado e, o melhor ainda, sabendo as opiniões sobre os fatos (o que por si só já é melhor do que o fato em si).

Ou seja... é isso.

(E talvez acabe com meus textos assim a partir de agora, sem conclusão nenhuma)

minha lista de medos desta semana

Todo mundo tem medo de algo. E sendo eu uma pessoa razoavelmente normal como todas as outras pessoas, também tenho meus medos.

Sim, pode não parecer verdade, mas este escriba, o próprio Nixon Vermelho, tem seus medos secretos.

E mesmo que seja devastador revelar minha intimidade, seguirei os pedidos que eu mesmo me fiz em frente ao espelho e revelarei a verdade nunca antes dita.

Meus cinco piores medos desta semana (de tempos em tempos a coisa modifica):

1. Insetos - qualquer coisa com mais de quatro patas é assustadora pra mim. Relevo borboletas, desde que não sejam muito grandes, do contrário acabo com elas na base do tiro de fuzil;

2. Palhaços - como é que eu vou gostar de um cara todo pintado, com roupas coloridas, sapatos gigantescos e que se diverte jogando coisas nas pessoas;

3. Escritórios de contabilidade - aquela muzak rolando na sala de espera de um escritório de contabilidade faz eu querer me jogar de uma ponte. Já fiquei várias vezes nestes locais e tenho certeza que numa destas vezes as paredes começaram a se fechar ao meu redor;

4. Telefone de açougue - nada é mais nojento do que um telefone todo engordurado, ensebado, de um açougueiro. Juro, tocar naquilo é como colocar a mão dentro de um balde de banha;

5. Panicats - sei lá... essas minas são muito estranhas. Aquela voz delas de pato rouco me deixa muito nervoso. Lhes digo, não fico de costas pra uma mina destas.

fibonacci

01123581321345589144233377610

sábado, 20 de agosto de 2016

revolucionário

O cara fala que é comunista e tem o maior discurso sobre a revolução do povo, os horrores da burguesia, o capitalismo selvagem e mais todos aqueles chavões com cheiro de bolor.

Só que tu percebe que o cara tem IPhone 6, mora num ap alugado pelo papai, ganhou um carro ( adivinha se não foi o papai) e tem uma faxineira pra cuida da casinha.

Ah... mas daí é fácil ser o revolucionário, qualquer coisa o papai paga!

tem certas coisas que não tem como eu fazer

Posso ficar dias escrevendo sobre coisas que não gosto ou que jamais farei, mas tenho uma certa desconfiança de que isto me tornaria alguns pontos mais chato.

Obs: tenho certeza que neste momento alguma pesquisa está sendo realizada em Cambridge para tratar da "escala de pontuação de chatos", pois ingleses adoram pesquisas e estatísticas.

Mas continuando...

Para não ser tão afetado e mal humorado, vou falar apenas algumas coisas que não faço:

1. Usar sunga - não tem como, eu me sentiria como um porn star dos anos 70. Eu me rebelei e saí da natação quando, nos idos de 1985/86,  falaram que eu teria que só usar sunga pra nadar na equipe.

2. Nadar no rio Ganges - sério? Tu acredita que um cara que anda com um tubo de álcool gel na pasta, entraria num rio que tem corpo de morto boiando, detritos de esgoto fecal e resíduos hospitalares?

3. Visitar países pobres - nenhum preconceito, mas fazer turismo em um país que de tão miserável parece ainda estar no século XVIII, não me parece algo agradável. Ainda mais se levarmos em conta que o maior produto destes locais são os mosquitos do tamanho de elefantes.

4. Ir a um festival de cinema Iraniano - só de comentar isto me deu sono.

5. Usar uma camisa com desenho do Che - olha, se eu fizer uma coisa destas, já me interna que eu devo tá passando mal.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

duas coisas sobre religião

Respeito a fé e as crenças de cada pessoa, assim como respeito quem se diz agnóstico, ateu e não tenha nenhum tipo de crença espiritual.

Se você já se irritou só pela minha introdução, acredito que seja melhor para de ler este texto e ir fazer algo melhor, pois meu comentário é justamente sobre a fé que eu tenho.

Pois é... sou um cara que tem uma força de vontade e uma fé enormes. Não sou de ir em igreja necessariamente, mas rezo e faço diariamente minhas orações, o que me fazem ficar mais tranquilo, ou pelo menos me ajudam a ficar calmo e ter paciência para enfrentar as situações.

Bem, uma das coisas que faço é me benzer, fazendo três "sinais da cruz" seguidos e rapidamente quando estou passando em frente de uma igreja.

Faço isto sempre, até mesmo em modo AUTO e sem pensar. Pois é... e numa dessas vezes, eu tava correndo por causa do trabalho e me dei conta que eu ia passar na frente da Catetral. Como sempre, em modo AUTO já fui fazendo o "sinal da cruz". O detalhe é que eu não estava nem perto da Catetral, faltava meia quadra ainda, o que resultou a eu fazer seis vezes "a cruz", primeiro em frente da farmácia e depois na frente de um banco.

Ao passar na frente da igreja fiz novamente o gesto, mas já rindo da minha própria cara, pois eu devia estar parecendo um desesperado, um fanático religioso que vinha se martirizando pela rua.

...

Falando em igrejas, religião, etc, segunda passada, enquanto gravava uma externa, um "doidinho" me para na rua e começa a falar sobre "a bomba atômica que os 'americano' vão soltar e que o "masturbadores da igreja" estão escondendo isto do povo.

Coisa linda um papo desses não é?

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

eu tava tranquilo até um minuto

Daí tô sentado, de boa, tranquilo, bem relax, vocalista de banda de reggae - só que sem o uso de plantas proibidas (já entendeu que tô na paz?!), olhando pro nada e pensando da mesma forma.

Fico assim por alguns instantes, até prestar atenção na conversa que rola na mesa ao lado e ver como tem gente ruim neste vasto planeta azul chamado... "terra".  (Esta frase seria perfeita se eu fosse redador no "National Geographic")

Mas dando prosseguimento ao que eu escutava: Oh Lord! As duas senhoras falavam com tanta raiva da criança da vizinha delas, que eu fiquei imaginando se não podia mandar prender as duas por ódio direcionado.

Sério, era tanta raiva contra a criança que eu não me assustarei ao ver amanhã uma manchete no jornal local, falando sobre uma criança que entrou em combustão espontânea.

E assim eu concluo este texto superficial... como é que tem gente que deseja o mal para os outros?

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

voltando aos primórdios

Ontem queimou um fio do chuveiro de casa quando eu terminava meu banho. Resultado disto: à noite fui trocar o fio e arrumar a coisa toda.

Naquele momento, fazendo um pequeno trabalho no modo AUTO, fiquei pensando nas coisas que faço e lembrei das pessoas que não sabem fazer nada além do conhecimento profissional delas.

Sim, pode ser um pensamento um pouco antigo, do tipo "homem tem que saber arrumar as coisas da casa e dar um jeito em tudo", mas mesmo assim me impressiona homens que não sabem arrumar uma luminária, trocar uma resistência, costurar um botão, etc.

Não, eu não sou nada especial, muito pelo contrário... mas poxa tem coisas que não precisam de muito na vida minha gente!

Afinal, o cara é professor de medicina na Universidade Federal de Santa Maria, cardiologista renomado e precisa chamar um torneiro mecânico pra trocar a torneira que tá pingando?

Não é querer ser machista, mas vamos parar de se depilar um pouco, se preocupar com a barba bem aparada e voltar a fazer algumas coisas básicas.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

daquelas coisas que eu fico pensando enquanto do de boa olhando vocês na mesa do lado

Me sinto um velho, mais do que o normal, quando sou o único na mesa que gosta e lembra dos "Brasinhas do Espaço".

...

Que motivo faz com que criança tenha que correr pra tudo que é lugar que ela vai? São as únicas pessoas que nunca tem horário marcado pra nada!

...

Falando em infantes: o maior inimigo de uma criança é a gravidade.

...

Uma coisa que vocês não sabem sobre a minha pessoa: quando entro em uma loja de roupas e vejo que os cabides não estão bem posicionados, eu começo a arrumar tudo.

...

Já falei uma vez sobre isto, mas sempre é bom lembrar.
Uma vez vi um carro com um enorme adesivo em todo vidro traseiro que dizia: "Fulano de tal, dentista 100% profissional".

Posso perguntar uma coisa? Desde quando se tem medida de profissionalismo!

Do tipo, "ah... eu sou uns 86,7% profissional".

Como assim?

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

da série: diálogos patéticos de nixon vermelho

Hoje fui almoçar na casa da minha e ocorreu o seguinte diálogo:

EU - "Coisa mais chata nado sincronizado."
MÃE - "Eu acho lindo"
EU - "Dançar dentro d'água não é esporte."
MÃE - "Mas olha como elas ficam de cabeça pra baixo."
EU  - "Bicho Preguiça fica de cabeça pra baixo todo tempo e nem por isso tá disputando medalha."

uma boa ideia continua sendo o que me motiva

Ontem, também chamado de domingo, foi um dia em que eu tive a sorte de conversar com uma pessoa criativa e com uma mente muito empreendedora.

O resultado disto?

Eu já estava motivado com meu trabalho e com as ideias que estou tendo, mas depois da conversa, bem... a motivação se tornou foco para fazer mais e para fazer melhor do que faço atualmente.

Eu tenho comigo a responsabilidade de buscar algo além, de criar algo novo e buscar novos rumos.

Mais do que isso: minhas ideias devem ser compartilhadas para que propaguem mais iniciativas e que isto se torne uma rede de trabalho e produção que  crie resultados produtivos e econômicos.

Desta forma ainda estarei desenvolvendo novas experiências para o benefício da sociedade como um todo.

Resumindo da forma mais simples possível: boas ideias geram bons negócios, que geram lucro, que pode ser investidos em mais iniciativas.

É ou não é uma ótima ideia?

Pois é... e assim tudo começa.

sábado, 13 de agosto de 2016

antes eu falei... pequenas coisas me divertem

Aí vou no final do dia numa reunião de trabalh, mas como é sábado marcamos numa agradável padaria de Santa Maria.

Reunião tranquila regada com suco de laranja (e uma empada de tomate seco pra mim) e entendimento das posições pretendidas.

Findo os negócios me levanto pra ir ao banheiro... e é aí que as coisas me surpreendem!

Entro no espaço reservado e uma luz laranja vinda de uma luminária em forma de lâmpada gigante e peluda - sim, a luminária era peluda! - ilumina o ambiente.

Gente... meu povo... me senti num  bordel na Holanda com aquele clima colorido e privativo.

Não sei se alguém escutou do lado de fora, mas eu ri. E mais... eu ri muito! Eu saí rindo, eu paguei minha conta rindo e tô rindo até agora.

nada

Uma das coisas que gosto muito de fazer é sentar em algum local público (café, bar, restaurante, etc) para observar as pessoas. Coloco meu fone, escolho uma trilha sonora e fico ali, parado num canto, olhando e anotando.

Registro trechos de conversas, o caminhar estranho de uma pessoa, os detalhes da pele de outra, o que um casal de idade come e o comportamento de tudo ao meu redor.

Pra que isto?

Nada e tudo!

Mas explico: uma das coisas mais fantásticas pra mim é o nada da rotina diária e em como estas coisas banais se tornam engraçadas pra mim.

Como o quê?

Por exemplo: aquelas pessoas que tem medo de andar de escada rolante, os aposentados que ficam sentados tomando cafezinho e reclamando de tudo e o taxista que tem todas as soluções para os problemas do Brasil.

Pode não ser engraçado pra você, mas eu não consigo não rir quando vejo que alguém apertar mais de uma vez o botão pra chamarno elevador, como se fosse acelerar a vinda do mesmo.

Banalidades meu caro... apenas banalidades.

Ei, e começou a tocar "Rebel, Rebel" do Bowie! Como não sorrir enquanto olho o mundo ao redor.

Obs: mas amanhã já tô mal humorado de novo.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

minha crítica desnecessária sobre uma cantora que você nem vai lembrar quem era ela quando chegar o ano que vem

Vocês conhecem a Niykee Heaton?

Pois é... até umas duas semanas atrás eu não conhecia eata bela loirinha de 22 anos que virou ícone da música pop e ícone da beleza.

O que eu vi da história dela, é que a menina tinha um canal no Youtube onde fazia covers com seu violãzinho. Como várias outras meninas, foi descoberta por um produtor que a lançou ao estrelato instantâneo.

Mas e a música?

Olha, nada de novo no front. Aquela velja fórmula de pop, hip-hop, soul r'n'b, que já conhecemos e vimos emmoutras cantoras mais ou menos talentosas.

Qual a diferença dela pra outras cantoras?

Primeiro ponto: ela é bonita!

Segundo ponto: ela sabe que é bonita e gostosa!

Terceiro ponto: ela usa o fato de ser muito bonita e gostosa pra fazer sucesso!

E aí entra o maior trunfo dela, os clipes são focados na beleza. Os dois mais conhecidos, ou ela tá de biquini ou nua enrolada no lençol. E se procurares no Google, encontrarás muito vídeo dela em danças e sessões de fotos pra lá de sensuais e provocativas.

O resultado disto?

Sucesso imediato mas tão duradouro quanto uma sopa instantânea.

Como disse uma inteligente e sagaz leitora do meu singelo blog: " ela é gotosa e até não é ruim, mas ser gostosa não dura pra sempre".

Disse tudo!

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

leituras motivacionais para você que compra livros de auto-ajuda de cinco Reais

Então você se incomoda com  as coisas...

Você se irrita com as coisas...

Você pensa que as coisas são melhores e acredita que são...

Mas tem uma coisa que tens que fazer:

Tens que agir, tens que correr mais rápido, tens que bater mais forte... ou seja, tens que ser melhor que os outros.

Isso será o suficiente?

Não tenho como te dizer meu caro (como eu falaria nestes tempos corretos... carx?), mas posso te afirmar uma coisa:

Se ficares parado, esperando... nada vai melhorar.

meus cinco melhores facínoras de todos os tempos

1. Torquemada - um frade que torturou e matou em nome da igreja não tinha como não estar nesta lista;

2. Somoza - 20 anos de ditadura na Nicarágua, a execução de Sandino e de todos os opositores do governo e o acúmulo de uma riqueza bilionária colocam este simpático baixinho da caserna entre meus cinco queridões;

3. Papa Doc - o sujeito que levou o Haiti a um estado de miséria completa e que pedia pra ser chamado de deus tem lugar cativo no top 5;

4. Stalin - execuções, perseguições, assassinatos, extermínio racial, preconceito, racismo... precisa dizer algo mais;

5. Hitler - ah... menino Hitler, queria ser pintor e pintou o sete na Europa inteira. Lugar de destaque aqui na minha lista e no inferno ao lado do capiroto.